publico

A burqa também existiu no Algarve: era o bioco e dava liberdade à mulher

No século XIX, um antigo governador civil que não gostava de ver as mulheres todas tapadas decretou a abolição do uso do trajo tradicional de todas as ruas e templos. Agora, foi recriado um bioco moderno mas a cabeça fica destapada.

A mulher algarvia, há pouco mais de um século, também usou burqa mas sem conotações religiosas. À capa negra que se estendia da cabeça aos pés e só permitia ver os olhos, foi dado o nome de bioco ou rebuço. Um antigo governador civil, em nome da nova civilização, decretou que este traje tradicional fosse banido das ruas e templos. Agora, o bioco está de volta em versão moderna, com outras histórias para contar.

O antigo governador civil de Faro, Júlio Lourenço Pinto, nascido no Porto, viu nesta peça de vestuário “vestígios da dominação muçulmana” que entendia não terem razão de existir no final do século XIX. Vai daí, extinguiu o bioco. No seu livro de crónicas O Algarve, publicado em 1894, justifica: Trata-se de uma “máscara” que poderia dar azo a certas libertinagens. Uma das razões invocadas prende-se com a fidelidade conjugal. Imagine-se uma “frágil pecadora” que, vestida de forma a não ser reconhecida, poderia atirar-se “sem perigo a aventura amorosa-romanesca ou a façanha de infidelidade conjugal”, afirma. Por isso, servindo-se dos poderes que lhe estavam conferidos, decretou: “É proibido nas ruas e templos de todas as povoações deste distrito o uso dos chamados rebuços ou biocos de que as mulheres se servem escondendo o rosto”, refere o artigo 32, do Regulamento Policial do distrito, publicado a 6 de Setembro de 1892.

Lurdes Silva, natural do Porto, “apaixonou-se” pelo bioco quando visitou o Museu do Trajo, em São Brás de Alportel – local onde se podem encontrar cópias de alguns exemplares. O amor à primeira vista por uma peça de vestuário, confessa, não é coisa rara. Mas, neste caso, houve mais do que isso. Esta professora da Universidade do Algarve, na área nas ciências económicas e empresariais, sentiu necessidade de mergulhar na cultura da região. “Levei dois anos a investigar a história desta peça”. Por fim, decidiu partilhar os conhecimentos e começou a produzir biocos colocando, no forro da peça, a história deste vestuário contada em português e inglês. Em 1922 no livro Os Pescadores, Raul Brandão dizia que se tratava de “um traje misterioso e atraente”, que alimentava especulações. Numa passagem da obra, referindo-se às mulheres de Olhão, escreve: “Quando saem, de negro envoltas nos biocos, parecem fantasmas. Passam, olham-nos e não as vemos”.

Mas qual é relação da burqa com o bioco? A burqa, diz Lurdes Silva, é uma “imposição masculina, aqui passa-se o contrário: o homem não quer que ela use, mas ela usa para ter mais liberdade”. Por conseguinte, os três modelos que concebeu, com design de Maria Caroço, puxam pelo lado estético da peça, sublinhando as histórias amorosas e o sentido da liberdade. Por isso, cada um tem a sua designação: mistério, tradição e paixão. O preço dos modelos recriados varia entre os 139 e os 159 euros.

Assim, a novidade deste Verão é um bioco, de um tecido leve, com grafitti assinado por Sen Silva – um artista com várias obras públicas em Olhão e com vários trabalhos expostos numa galeria em Almancil. “Tanto pode ser usado numa cerimónia, como numa festa sunset”, diz Lurdes Silva, referindo-se ao bioco “mistério”, uma peça sugerida pela cantora Viviane, a artista que integra o projecto ”Rua da Saudade”, em homenagem ao poeta Ary dos Santos, e canta “Do Chiado até ao Cais, e que se rendeu à recriação deste traje regional. As cores predominantes são o verde/figueira, o azul lusco-fusco do pôr-do-sol algarvio e o tijolo dos mercados de Olhão. Uma colecção destas peças vai estar patente ao público, na FIL, em Lisboa, entre 27 de Junho a 5 de Julho, numa mostra dedicada à inovação. Para já, no Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela, está patente, até 12 de Julho, na parte da tarde, uma exposição de biocos da autoria da artista plástica Joana Bandeira.

Bioco, um mito bem guardado
Mas nos finais do século XIX, a visão de Júlio Lourenço Pinto estava longe deste recente entusiasmo pelo bioco já que considerava que este não passava de um vestígio da cultura islâmica “sem elegância nem beleza”, feito de um tecido “negro sepulcral”, que não se coadunava com evolução civilizacional. Com alguma semelhança a este traje encontra-se o capelo, da ilha Terceira – que ainda faz parte do folclore açoriano e se tornou símbolo dessa região. No Algarve, a extinção oficial deu-se em 1892. Porém, continuou a ser usado em Olhão até meados dos anos 30 do século XX. O director do Museu do Trajo em São Brás de Alportel, Emanuel Sancho, diz que não passa de “um mito” a relação que se estabeleceu entre esta peça e o véu islâmico. “Há um século tapava-se a cabeça em toda a Europa – desde a Holanda, onde não havia biocos, até à Inglaterra e à França”, observa.

Maria Veleda, dirigente feminista (1871-1955), defendeu que o uso desta capa – que tanto desagradava ao representante do poder central na região como a alguns intelectuais da época – conferia liberdade à mulher porque esta podia de sair de casa a qualquer momento e em qualquer circunstância sem ser reconhecida. À noite, acrescenta Emanuel Sancho, as mulheres só poderiam sair se fossem acompanhadas com os maridos.

Por seu lado, Júlio Lourenço Pinto – cronista e romancista, a par da carreira política – destaca no 33º artigo do Regulamento Policial que a interdição também se aplica aos homens: “Será sempre aplicável a qualquer individuo do sexo masculino, quando for encontrado em disfarce com vestes próprias de outro sexo e com este cobrindo o rosto”. Emanuel Sancho explica o motivo da abrangência do diploma: “Há relatos de homens que se vestiam com trajes de mulher para não serem reconhecidos quando cometiam crimes”. Mas, por outro lado, também há registos de outras liberdades não condicionadas: “Os homens usariam o bioco para irem, de forma disfarçada, ter com as amantes”.

Sobre esta matéria, Lurdes Silva lembra a inquietação que se desencadeava na cabeça dos homens à passagem de um vulto de mulher, de negro vestida. “Os homens não sabiam quem era a mulher que lhes despertava o interesse – poderia ser, de forma oculta, a sua própria companheira”. A ideia vem expressa no relato de Raul Brandão, quando escreve sobre Olhão: “De quem são aqueles olhos que ferem lume?”, pergunta o escritor no livro Os Pescadores, relatando a passagem de um vulto feminino no lajedo da rua, deixando no ar o som do cloque-cloque do calçado. Ao longe, retrata, “já o fantasma [mulher] se esvaiu, deixando-nos a impressão de mistério e sonho”. E levanta a dúvida, ou a suspeição: “É uma mulher esplêndida que vai para uma aventura amorosa?”. Assim, por entre relatos mais ou menos fiéis (e de infiéis) construiu-se o mito da mulher embiocada. Júlio Lourenço Pinto publicou no extinto jornal O Distrito de Faro, crónicas onde relaciona alguns destes relatos com os romances das Mil e uma Noites, para chegar à conclusão, em tom critico, que o uso do bioco só serve para “estontear as cabeças dos modernos paxás algarvios”.

A história não se apaga por decreto
A proibição do uso do bioco em 1892 não levou ao seu desaparecimento imediato. O investigador Emanuel Sancho justifica: “O uso estava muito enraizado na população”. A tendência que se verificou, diz, foi procurar contornar a lei, para evitar multas e castigos que poderiam chegar à detenção. Em vez da tradicional capa que chegava até aos pés, enfatiza, “por fim, já era só um xaile preto pelas costas e um lenço atado por baixo do pescoço”.

Júlio Lourenço Pinto, que o baniu, reconheceu que o traje das “peregrinas belezas das terras do Alcorão” não desapareceu por imposição legal e repressão policial. “Foi sacrilegamente banido dos costumes algarvios mais por influência da opinião pública sensata e ilustrada do que pela acção policial”. A verdade é que, pelo menos em Olhão, continuou a usar-se durante mais três ou quatro décadas, depois de ter sido declarado abolido. No presente, Lurdes Silva procura redesenhar a história do Algarve através de uma peça de vestuário desdenhada pelos defensores dos bons costumes do século XIX.

Escrito por 

Post by filcris